Homem de 58 anos morre em fila de espera na UPA

0
7126

Um homem de 58 anos morreu na fila de espera da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Fazendinha, em Curitiba, no sábado (8).

Curta nossa página no FACEBOOK e saiba de todas notícias de Cianorte e Região

De acordo com parentes da vítima, Marcos Rogério Ferreira deu entrada durante a tarde, com dores no estômago.

Na triagem, ele foi classificado com a cor verde, que é associada a casos pouco urgentes. Enquanto esperava atendimento, o quadro dele piorou, e os familiares pediram ajuda aos enfermeiros. Porém, ele só foi atendido depois de sofrer uma parada cardíaca.

A manicure Jussara Ferreira, irmã de Marcos Rogério Ferreira, chegou a discutir e até agredir enfermeiros. Ela foi retirada do local por guardas municipais. No sábado, uma equipe conversou com Jussara, depois da morte do irmão.

“Eu implorei para a enfermeira. Ela viu eu andando com ele pra lá e pra cá. Pedindo pra ela: ‘por favor, atenda o meu irmão, ele não está se sentindo bem'”, contou Jussara.

Conforme a manicure, a enfermeira disse que era preciso esperar. “O esperar deu nisso: meu irmão está morto”, afirmou.

A UPA estava cheia no sábado, e o tempo de espera chegou a quase seis horas, segundo os pacientes. Já de acordo com a prefeitura, o tempo médio de espera para atendimento na UPA Fazendinha – para casos não urgentes –, na tarde de sábado, era de duas horas.

Marcos Rogério Ferreira foi velado na manhã desta segunda-feira (10). “A sensação é de revolta, muito descaso no 24 horas. A revolta está muito grande. Está difícil de aceitar. A gente não vai deixar quieto isso, porque hoje foi o meu tio, mas amanhã pode ser uma mãe, pode ser um irmão, outra pessoa que vai e fica tudo por isso mesmo”, disse Alessandra Mara Cordeiro, sobrinha da vítima.

Quem costuma recorrer a UPA do Fazendinha reclama da demora do atendimento.

O que diz a prefeitura

A Prefeitura de Curitiba informou que o paciente Marcos Rogério Ferreira deu entrada por volta das 16h40 na UPA do Fazendinha com queixa de dor no estômago. A avaliação apontou o quadro clínico classificado no eixo verde, que é pouco urgente, do Protocolo de Manchester.

Após aproximadamenete uma hora de espera para o atendimento, Marcos Rogério Ferreira teve uma parada cardíaca. Então, a equipe da UPA encaminhou imediatamente o atendimento, mas não houve êxito na reanimação do paciente. Ele morreu na UPA.

O caso será investigado, e a causa da morte apurada depois do laudo do Instituto Médico-Legal (IML).

Fonte: RPC