Gaeco prende delegado e investigador da Polícia Civil em operação contra a exploração de jogos ilegais

0
1131

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP-PR), prendeu um delegado e um investigador da Polícia Civil, nesta quarta-feira (16), em uma operação contra a exploração de jogos ilegais.

Curta nossa página no FACEBOOK e saiba de todas notícias de Cianorte e Região

Batizada de “Barão de Drummond”, a ação cumpre mandados judiciais em dez cidades do Paraná: Maringá, Astorga, Altônia, Ivatuba, Paiçandu, Ponta Grossa, Paranavaí, Sarandi, Arapongas e Doutor Camargo.

Até as 14h desta quarta, quatro dos cinco mandados de prisão preventiva, que é por tempo indeterminado, já haviam sido cumpridos, segundo o coordenador do Gaeco Leonir Batisti. Os alvos eram o delegado, lotado em Altônia, o investigador, que trabalha em Paiçandu, e três exploradores de jogos.

Os suspeitos são investigados pela prática de crimes como corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

A 4ª Vara Criminal de Maringá, no norte do estado, também expediu 37 mandados de busca e apreensão em casas, comércios, bancas de jogo e gabinetes de delegacias de polícia.

Durante a operação, cinco pessoas foram presas em flagrante por posse de munição e armas sem registro. Também foi apreendida uma quantia não informada em dinheiro. Outras oito pessoas foram encaminhadas para confecção de termo circunstanciado por envolvimento em jogos ilegais.

Integrantes de diversos núcleos Gaeco participaram da operação, deflagrada a partir de investigação iniciada no primeiro semestre de 2016, pelo núcleo do Gaeco em Maringá.

Processo administrativo

Em nota divulgada na tarde desta quarta-feira, a Polícia Civil confirmou que será instaurado um processo administrativo interno para apurar as responsabilidades dos dois servidores.

“Caso fique comprovada a prática de algum crime, utilizando o cargo público, os servidores estarão sujeitos a pena de demissão do cargo. A direção da Polícia Civil enfatiza que qualquer ato em desconformidade com as regras de conduta contidas nas leis e no estatuto da Polícia Civil será rigorosamente apurado”, conclui a nota.

Fonte: RPC