Discussão sobre sexo oral provocou homicídio em Goioerê

0
98

O inquérito sobre a morte de Reginaldo Bernardes Cavalcante, 35, ocorrida na noite de terça-feira, 8, em uma residência na Rua Presidente Médici, na Vila Candeias, já está praticamente concluído, e a conclusão que o delegado Thiago Soares chegou é que o crime foi cometido com a qualificadora do motivo fútil, uma discussão sobre sexo oral.

No depoimento que prestou na Delegacia de Polícia, o autor confesso do homicídio, Vanderlei Tenório Cavalcante, 39, chegou a falar em desavença por causa de uma cesta básica, mas depois falou sobre a desavença por causa de sexo oral.

Vanderlei contou que mora em um puxadinho na casa onde houve o crime e que Reginaldo costumava visitá-lo, quando bebiam, usavam drogas e faziam sexo.

Conforme o depoimento, no dia do crime Reginaldo insistiu para que Vanderlei fizesse sexo oral com ele, o que teria acontecido contra a vontade de Vanderlei, que pegou uma faca e desferiu vários golpes em Reginaldo.

Essa mesma versão, de que fez sexo oral na vítima contra a vontade, Vanderlei contou para mais uma pessoa. No entanto, para outra testemunha ele contou uma versão diferente, a de que Reginaldo o teria chamado para fazer sexo oral, mas que depois do ato não queria pagar, e então ele o matou, e que se acontecesse isso de novo com outra pessoa, mataria de novo.

Segundo o delegado Thiago Soares, não há mais provas a serem produzidas e que o inquérito será concluído assim que chegar o laudo de exame cadavérico, com Vanderlei Tenório Cavalcante sendo indicado por homicídio qualificado por motivo fútil.

Fonte: GoioNews